Blues Night By BBBF: Ben Poole & Guy Smeets no Fórum Cultural – Baixa da Banheira

As Blues Nights By BBBF regressam ao Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira, no dia 12 de outubro, pelas 21:30h, com Ben Poole (UK) & Guy Smeets (HOL) e Johnny Boy Electric Band (PT).

Ben Poole (UK) & Guy Smeets (HOL)
O jovem britânico, de 28 anos, Ben Poole, guitarrista, cantor e compositor, lançou, em 2012, o seu álbum de estreia “Let’s Go Upstairs”, seguindo-se “Live At The Royal Albert Hall”, em 2014. A consagração ocorreu com “Time Has Come”, em 2016, e “Anytime You Need Me”, em 2018. E prepara-se para lançar, este ano, um novo duplo álbum ao vivo.
Ainda mais jovem, com apenas 20 anos, Guy Smeets é já apontado por muitos como o mais brilhante guitarrista da sua geração. Tem acompanhado músicos como Watermelon Slim, um pouco por toda a Europa.
Juntos trazem um concerto especial ao auditório do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo.

Johnny Boy Electric Band (PT)
E se a noite é dedicada aos novos talentos, iniciará com um exemplo da nova geração em Portugal: Johnny Boy que irá apresentar o seu EP de estreia “Letters”.

Bilhete: 8 euros, disponível na bilheteira do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo e na Rede Ticketline.

As Blues Nights By BBBF regressam ao Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira, no dia 12 de outubro, pelas 21:30h, com Ben Poole (UK) & Guy Smeets (HOL) e Johnny Boy Electric Band (PT).

Ben Poole (UK) & Guy Smeets (HOL)
O jovem britânico, de 28 anos, Ben Poole, guitarrista, cantor e compositor, lançou, em 2012, o seu álbum de estreia “Let’s Go Upstairs”, seguindo-se “Live At The Royal Albert Hall”, em 2014. A consagração ocorreu com “Time Has Come”, em 2016, e “Anytime You Need Me”, em 2018. E prepara-se para lançar, este ano, um novo duplo álbum ao vivo.
Ainda mais jovem, com apenas 20 anos, Guy Smeets é já apontado por muitos como o mais brilhante guitarrista da sua geração. Tem acompanhado músicos como Watermelon Slim, um pouco por toda a Europa.
Juntos trazem um concerto especial ao auditório do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo.

Johnny Boy Electric Band (PT)
E se a noite é dedicada aos novos talentos, iniciará com um exemplo da nova geração em Portugal: Johnny Boy que irá apresentar o seu EP de estreia “Letters”.

Bilhete: 8 euros, disponível na bilheteira do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo e na Rede Ticketline.

Compra de bilhetes online:
http://ticketline.sapo.pt

E nos postos de venda aderentes: http://ticketline.sapo.pt/pagina/postosdevenda

Organização: BBBP – Associação BB Blues Portugal, em parceria com a Câmara Municipal e União de Freguesias de Baixa da Banheira e Vale da Amoreira

Candidaturas abertas para o representante português ao European Blues Challenge 2020.

Está iniciado o processo de eleição do representante português ao European Blues Challenge 2020, cuja final se realizará em Zaandam, Holanda em Abril do próximo ano.

 

Todas os interessados deverão consultar o regulamento disponível na pagina portuguesa da European Blues Union em portugal.europeanbluesunion.com

As bandas e intérpretes poderão candidatar-se enviando os elementos solicitados no regulamento para ebc@bbbluesportugal.com até ao próximo dia 20 de Outubro, prazo limite para apresentação de candidaturas.

Cabe à  Associação BB Blues Portugal, como representantes do European Blues Union, supervisionar todo o processo.

O Blues elevou-se na Guarda

A cidade mais alta de Portugal, acolheu a 4ª edição do seu Festival de Blues, nos dias 31 de Julho a 03 de Agosto, num formato que privilegiou os espaços emblemáticos da cidade.

A Associação BB Blues Portugal, que este ano apoiou diretamente o evento, esteve lá e deixa aqui o testemunho, de tudo o que se passou nos oito concertos, marcados pela forte promoção dos projetos nacionais:

Fast Eddie Nelson (PT) 

Largo João de Almeida (31/07/2019)

 O Festival abriu da melhor forma com a voz imponente de Fast Eddie Nelson.

Os primeiros acordes trouxeram, de uma forma simbólica, o tema próprio “My Country Has Got The Blues”.

Nelson apresentou-se em formato One Man Band, tocando e cantando um misto de temas próprios e versões personalizadas de clássicos de Howling Wolf, Robert Johnson, Ledbeally, Lousiana Red, Muddy Waters, John Lee Hooker e Elmore James.

O cenário exigiu do músico uma grande mestria, uma vez que o trânsito intenso que se fazia sentir tornou-se parte integrante do concerto, assim como as interações dos transeuntes. Tudo isto resolveu com o sentido de humor que se lhe reconhece.

À medida que desenrolava os temas foi ganhando o público, que se deixou enfeitiçar pelas melodias e pela força da sua voz

Terminou em encore com “The Sky Is Crying”,e pode-se se dizer que se o céu chorasse naquele momento seria para rogar a continuação do concerto.

 

The Cyborgs (IT)

Jardim José de Lemos (31/07/2019)

Para o final do primeiro dia estava reservada uma bela surpresa para o palco principal

De Itália veio o duo The Cyborgs, com o seu conceito estético característico com máscaras tipo soldadura.

Quem esperava um concerto monótono não poderia estar mais enganado.

Com grande dinâmica, apresentaram os temas próprios da sua discografia, em especial do último álbum Generation X (2018).

Moveram-se por terrenos alternativos do blues, boogie e até em certa medida punk.

The Cyborgs são Cyborg 1 na bateria e teclas (incluindo baixo) e Cyborg 0 na guitarra e voz. Chamam-se assim numa alusão ao código binário, 0 e 1, início e fim.

Não deixaram ninguém indiferente, sobretudo quando saíram de palco e recrutaram um Cyborg 2 que com eles improvisou. Envolveram, simbolicamente, todos aqueles que estavam no Jardim José de Lemos.

Esta interatividade, que só o blues pode proporcionar, foi o melhor cartão de visita a encerrar o primeiro dia de festival.

 

The Smokestackers

Rua do Comércio (01/08/2019)

A iniciar o segundo dia de festival, um concerto delicioso por parte dos já conhecidos The Smokestackers.

A guitarra e voz suave e melodiosa de João Belchior, temperados com o slide felino e insinuante de Diogo Mão de Ferro, fizeram daquele fim de tarde um dos mais belos postais ilustrados da Guarda e da sua Rua do Comércio sob a vigilância imponente da Sé Catedral.

Enquanto preparam a edição do seu primeiro disco, trouxeram clássicos como “Walking Blues”, “Hard Times Killing Floor”, “Sitting On The Top Of The World”, e misturaram-nos com versões de temas mais recentes de Keb Mo’ e Derek Trucks. Tudo com muito bom gosto e de uma forma harmoniosa. Em especial a versão de Diving Duck Blues de Taj Mahal do seu Álbum Taj Mo’ com Keb Mo’.

Mais para o final trouxeram a mensagem de Muddy Watters “I’m Ready” e, de facto, eles estão Ready, ready as anybody can be.

 

Lone Lisbonaires (PT)

Jardim José de Lemos (01/08/2019)

A encerrar a segunda noite do festival, o conceito mais alterativo. Os Lone Lisbonaires, trouxeram o cheiro de Lisboa até à Guarda e fizeram um concerto fora da caixa.

Cantando temas próprios, em especial do último álbum “Varina Voodoo”, deram palco à lingua portuguesa e a uma fusão muito própria das expressões mais rudimentares do blues e do folk, filtradas pela lente lisboeta, que só o tejo e a luz alfacinha do fim de tarde podem proporcionar.

Um concerto com muita energia e entrega dos Lone Lisbonaires que se apresentaram com: Moorish Boy(voz, guitarra e foot drum), Spranger P.(harmónica), John Klima(baixo) e a surpreendente Larissa Conforto na bateria.

 

Pigball

Alameda de Santo André (02/08/2019)

Infelizmente, por questões logísticas, não nos foi possível assistir ao concerto dos Pigball.

Banda oriunda dos arredores de Lisboa, deu um concerto cativante e bastante envolvente, segundo conseguimos apurar junto de quem assistiu, mostrando uma proposta diferenciadora dentro do cartaz global do Festival.

 

The Legendary Tigerman

Jardim José de Lemos (02/08/2019)

Paulo Furtado, com o seu alias “The Legendary Tigerman”, fechou a noite de sexta feira.

Nesta penúltima noite do Festival, uma noite mais quente e convidativa do que as anteriores, gerou-se uma maior manifestação de publico que, de acordo com a Organização, registou a maior afluência de sempre desde que este festival foi ativado.

Tigerman não desiludiu e, como o próprio confessou em palco, “já tinha saudades de voltar a este formato”. Apresentou-se despojado da sua banda mais recente, onde envereda por sonoridades mais rock, para um muito aguardado regresso às origens e ao estilo que melhor o caracteriza.

O retorno ao Blues, onde Paulo Furtado fundamentou boa parte da sua carreira, foi o mote deste concerto. A solo ou com o cúmplice João Cabrita no saxofone barítono, (Humanos, Cais do Sodré Funk Connection, Dead Combo, entre muitos outros) conseguiu catalisar todo o publico presente num concerto inquietante.

O saxofone, que nos transporta para outras sonoridades como, por exemplo, os inigualáveis Morphine (ou até mesmo para a banda anterior de Mark Sandeman, “Treat her right”, que mergulha de forma mais evidente no Blues), não desilude e integra-se perfeitamente na desconstrução musical em que Tigerman é mestre absoluto.

Temas clássicos de Blues, como por exemplo, de artistas como Big Bill Broonzy , Howling Wolf ou até mesmo de Eddy Cochran são reconstruídos pela guitarra e voz de Tigerman tornando-se irreconhecíveis, divergem do original, mas simultaneamente renascem sob a assinatura inconfundível de Paulo Furtado.

No seu estilo “híbrido” como o próprio se confessou, o Blues de Tigerman ouviu-se e confundiu-se na noite egitaniense. Muito focado no seu album “Femina” o concerto decorreu eclético, passando por fases mais irreverentes, mas também pelo lado intimo da musica de Furtado, onde ninguém fica alheado.

Paulo Furtado é um camaleão que manipula e envolve e que, sem nunca recorrer a solos de guitarra, pedra basilar do Blues, se auto intitula “Bluesman” como toda a propriedade e direito.

 

Hearts and Bones

Anfiteatro do Solar do Vinho da Beira Interior (03/08/2019)

Experientes nestes ambientes, Hearts and Bones foram fiéis a si próprios, e garantiram um concerto de Blues puro e, inquestionavelmente, tornaram o momento único e íntimo.

Num set totalmente acústico, a guitarra de Luís Ferreira marcou o espaço e o tempo, transportando-nos de imediato para o “front porch” de uma pequena casa de madeira situado no delta do Mississipi. A voz de Petra selou este desígnio e adicionou a profundidade necessária para completar esta viagem ao passado.

Passando por personalidades várias, desde Memphis Minnie a Robert Johnson, entre vozes femininas e masculinas de vários períodos, Hearts and Bones não precisaram de afirmar a sua atuação, cativando-nos pela sua sensibilidade e conhecimento deste género musical, apresentando uma proposta musical que é única neste país.

Foi o ambiente sonoro perfeito para a prova de vinhos que coexistiu no espaço onde este concerto foi realizado (Comissão Vitivinícola da Beira Interior) cujos vapores de álcool se confundiram e fundiram com esta proposta blues de excelência.

Um concerto inebriante, será a forma mais discreta de caracterizar esta tarde que se viveu na Guarda, sob um sol intenso e quente que convidava a provar, repetidamente, as várias propostas do vinho produzido na região.

 

The Moonshiners

The Moonshiners (não confundir com a banda de Sintra, com origem em 1997 que exploraram o universo Blues e Jazz, e que, segundo sabemos, ainda existem) foram a banda selecionada para encerrar o cartaz do Festival de Blues da Guarda.

Com menor afluência do que a noite anterior, mas ainda com um muito bem composto público, iniciaram a sua atuação na Jardim José de Lemos, palco principal deste evento.

Marcaram uma atuação periférica ao ambiente Blues, num registo mais perto da pop, com algumas aproximações que demoraram a cativar a audiência. A irreverência da sua juventude pontuou este concerto, mas de forma por vezes desconcertante e que se provou não ser a melhor estratégia para envolver de forma imediata a massa humana à sua frente. Contudo, mais próximo do fim do concerto, houve manifestações de apoio e aplauso que sublinharam a aceitação desta banda neste espaço nobre da cidade, cumprindo-se assim o objetivo da noite.

As aproximações ao Blues deram-se na forma de alguns clássicos, como por exemplo “Got my Mojo Working” de Muddy Waters, desconstruido e refeito, onde conseguiram reciprocidade ao colocarem o público a cantar o refrão de forma interactiva. Outro bom exemplo foi uma interpretação de Johnny Cash, que também obteve uma ovação genuína.

The Moonshiners criaram e viveram a sua própria esfera neste universo que se materializou na Guarda. A noite termina com o público mais próximo do palco a dançar e a exigir encore.

 

Balanço

O festival de Blues da Guarda, termina a sua quarta edição com muito sucesso e com a convicção de que pode crescer muito e bem.

É um festival diferenciado com grande interação com a cidade, dedicado quase em exclusivo a bandas nacionais.

Esperamos com muito interesse a próxima edição.

O Blues regressa à Guarda em Agosto.

A Associação BB Blues Portugal apoia a edição de 2019 do Festival de Blues da Guarda, que se realiza de 31 de Julho a 3 de Agosto.

O cartaz está divido entre diversos palcos exteriores de entrada livre.

Sempre ao final da tarde (18:00) o blues chega em pequenos sets acústicos com os seguintes nomes: Fast Eddie Nelson, The Smokestakers, Pigball e Hearts And Bones.

À noite às 22:00, sempre no Jardim José de Lemos, temos: The Cyborgs, Lone Lisbonaires, The Legendary Tigerman Plays The Blues e Moonshiners.

Óptima oportunidade para todos os amantes do Blues rumarem às terras altas.

Obrigado Ruben!

Faleceu hoje o Ruben.

Todas as homenagens são poucas.

Da nossa parte queremos lembrar alguém que incentivou o BB Blues Fest desde a primeira hora e sobretudo a criação da Associação BB Blues Portugal, que nos acolheu na sua casa e que nos concedeu o privilégio de trocarmos ideias e partilharmos gostos.

O Ruben esteve presente na primeira edição do BB Blues Fest em 2012, numa conversa sobre o Blues e as suas origens.

Ao longo destes anos brindou-nos sempre com enorme carinho e incentivo.

(Na foto em Cazorla, Espanha, em 2012).

Um beijinho especial para a Madalena.

Agradecimentos da VIII Edição BB Blues Fest

Terminou recentemente a VIII Edição do BB Blues Fest, a edição da consagração, da visibilidade e do crescente entusiasmo do público e é tempo dos merecidos agradecimentos.

Foram quatro dias impares, excitantes, e sobretudo, mágicos e carismáticos.

O Blues, a sua essência, o seu espírito mais puro, manifestou-se uma vez mais tendo o seu epicentro no sítio das terras baixas da banheira do Tejo.

Poucos dias após o seu final, e passado o tempo dos primeiros balanços, a Associação BB Blues Portugal não quer deixar passar este momento sem publicamente expressar o seu sincero agradecimento a todos os que contribuíram para este estado de alma.

Em primeiro lugar aos nossos Parceiros nesta aventura, que tiveram a virtude de perceber o potencial deste projeto e o seu carácter diferenciador e dinamizador: a Câmara Municipal da Moita e a União de Freguesias da Baixa da Banheira e do Vale da Amoreira.

Nesta parceria, que se intensifica de ano para ano, estamos certos de que, por muitos e longos anos, novas emoções irão ter o seu ponto mais alto no BB Blues Fest.

Este ano, um novo patamar de maturidade do projeto foi atingido e tudo se deve ao grupo de trabalho permanente e aos representantes das entidades parceiras. Foi a dinâmica e forte interação deste grupo de trabalho que permitiu a estruturação adequada de todo o Festival, onde de ano para ano se nota uma maior envolvência e capacidade, mantendo-se o espirito e a missão inicial deste projeto intacta.

Este foi o ano em que o BB Blues Fest ultrapassou fronteiras, derrubou barreiras e tornou-se publico, visível, das grandes audiências, quer a nível nacional, quer a nível internacional, sendo prova deste facto a multiculturalidade da sua audiência, com publico presente de várias línguas e latitudes.

Na Câmara Municipal da Moita, cabe-nos agradecer a sensibilidade de todo o executivo, que através da sua ação em cada área viabilizaram o Festival e cuja presença foi incentivo para todos. Em especial o Presidente Rui Garcia e o Vice Presidente Daniel Figueiredo, apoiantes e entusiastas, desde o momento zero.

A todos os trabalhadores do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo ou que aí tenham sido alocados durante o Festival, o seu profissionalismo e alegria de participar também neste projecto: Élia Madeira, Filipe Valério, Helena Silva, Lina Céu, Maria Clara Mourato, Sérgio Valentim, assim como eventualmente os demais que não estejam referidos por lapso. Um agradecimento especial à Ludmila Fernandes, Maria João Simões, Hugo Andrade e Cláudio Santos, que garantiram as áreas técnicas, com o habitual pragmatismo, sentido de responsabilidade e excelente profissionalismo a que já nos habituaram.

Um agradecimento também à equipa do Gabinete de Informação e Relações Publicas que fez um trabalho extraordinário de promoção e divulgação do BBBF, em especial á Susana Talete, que integrou a equipe este ano, mantendo o nível dos anos anteriores e superando-se com pragmatismo e celeridade.

A todo o executivo e trabalhadores da UFBBVA, que, com o seu habitual sentido de dever e dedicação, possibilitaram a execução de trabalhos que, sendo invisíveis para o Público, são fulcrais para a execução deste Projecto. Uma palavra especial ao presidente Nuno Cavaco, grande incentivador e desbloqueador de problemas encontrando sempre soluções aos contínuos desafios que encontramos.

Um agradecimento especial ao Presidente da Junta de Freguesia de Alhos Vedros, Manuel Graúdo, por ter recebido a noite inicial do BBBF em ambiente e espirito de fraternidade e equipe, possibilitando que este evento saia de portas e encontre novos públicos na região.

Ao Grupo Desportivo e Cultural Ribeirinho pelo apoio constante, indiscutível e decisivo, e que contribuiu, uma vez mais, para o carisma e personalidade do BBBF possibilitando a recepção dos Músicos em ambiente descontraído e acolhedor.

Ao Ginásio Atlético Club pelo apoio presente, em espirito de camaradagem e união, no ano de comemoração do seu 81º aniversario que, inexcedivelmente, garantiram a operacionalidade deste evento na sua vertente mais imediata e necessária.

Uma palavra muito especial para o Hildebrando Jorge, responsável pela imagem de mais esta edição do BBBF, que retornou à equipe do BBBF após os últimos anos ausente, que incansável, destemido e empenhado, desmultiplicou-se e contribui de forma decisiva para os inúmeros desdobramentos sobre os vários temas da Imagem e apresentação do Festival.

Naturalmente, uma palavra de agradecimento também aos Músicos e Bandas que viabilizaram mais uma edição absolutamente inesquecível do BBBF e que protagonizaram, em direito próprio, a magia e encanto de mais esta edição:
King Blues & Turbo Dog, Budda Power Blues, Kirk Fletcher, Kyla Brox, The Nick Moss Band, The Dog´s Bollocks, Johnny Boy Electric Band, Elsa Frias & MaBelle Band e, por ultimo, ao colectivo dos BBBF All Stars que, em absoluta alegria e entrega, encerraram esta edição, em coordenação pelo incansável Fast Eddie Nelson.

Como reflectido acima, o BBBF é fruto de uma intensa cooperação, partilha e cumplicidade entre várias entidades, Publicas, Associativas, Privadas e Pessoas Individuais, que se congregam para exponenciar, neste evento, um projeto coletivo onde a excelência prevalece.

Três agradecimentos muito especiais para :

ANTENA 3, o nosso Media Partner, que nos apoiou incondicionalmente pelo segundo ano consecutivo, numa parceria que se intensificou e que permitiu levar o BBBF a novos públicos e que se prevê renovar nos próximos anos.

Castanheira Só Musica – Pareceria que se renova pelo terceiro ano consecutivo e que se revela no apoio fundamental a esta edição, sendo um dos maiores importadores de equipamentos musicais e fortes apoiantes e impulsionadores de vários eventos e defensores da Musica em geral.

Roadies DC – Pelo seu apoio já habitual e este ano mais intensificado e renovado, personificados na excelência do seu apoio técnico.

Também à Residencial Santo André – que nos acolhe e garante apoio logístico, e que ao longo do tempo se provou indispensável e critíco ao projeto.

Ainda também uma palavra especial para os incansáveis Jorge Pena e Pedro Ventura. O primeiro pela dedicação e excelência no trabalho Digital e responsável pela execução do nosso site e ao segundo pelo apoio vibrante que nos possibilitou num espirito altruísta.

Ao Álvaro Presumido, presença habitual e apoiante incondicional, este ano integrando a equipe BBBF, tendo assumindo as áreas de multimédia, cuja dinamismo e entusiasmo revelou-se no trabalho efectuado e nas múltiplas ideias e opiniões com que contribuiu.

Agradecer também a todos os que contribuíram com o seu esforço pessoal e apoio:
Um agradecimento a todos os militantes do Blues presentes, e desde logo aos músicos Fast Eddie Nelson e Vitor Bacalhau, pela camaradagem, dedicação e excelentes contribuições individuais.

E, também, a todos os que contribuiram para o BBBF 2019 e que inadvertidamente esquecemos de incluir neste texto.

A todos os elementos da Associação BB Blues Portugal – Jorge Perfeito, Acácio Diogo, João Figueiredo, Marco Tavares, Rute Guerreiro, Hernani Nascimento e Joel Formiga, pelo envolvimento e altruísmo.

Uma palavra especial também para o João Figueiredo, cuja curadoria da exposição fotográfica deste ano foi exemplar e, em espirito de coordenação, consagrou edições anteriores do BBBF com registos dos habituais amantes de fotografia que muito honram este evento ao longo dos anos (Luis Sousa – Musica em DX – , José Estiveira, Diogo Oliveira, Francisco Levita, Fernando Godinho e José Júlio Presumido – CMM -)

E finalmente ao Público, imenso, interativo, entusiasta, exigente, participativo e grato do BB Blues Fest, cujo apoio basilar é absolutamente fulcral para a execução e crescimento deste projeto.

Este Festival é e sempre foi vosso e está nas mãos de todos ajudar o crescimento desta aventura, onde novas emoções serão continuamente revisitadas.

De coração e alma cheios, O nosso MUITO OBRIGADO.

Associação BB Blues Portugal

O mais emblemático festival de blues do país.

BB Blues Fest na Baixa da Banheira

Melhores nomes do blues português e internacional

 

O BB Blues Fest regressa à Baixa da Banheira, este ano, entre os dias 30 de maio e 2 de junho. Como forma de envolver mais público e, em simultâneo, promover o concelho, pela primeira vez, o festival ‘sai’ da Baixa da Banheira e faz a sua apresentação, no dia 30 de maio, a partir das 21:30h, na Vila Rosa, em Alhos Vedros, num concerto com entrada livre. De salientar que a sala do Café Concerto, no Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, onde habitualmente era realizada a noite inicial do festival já esgotava frequentemente a sua capacidade.

No Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira, Budda Power Blues e Kirk Fletcher, a 31 de maio, e Kyla Brox e Nick Moss, a 1 de junho, são os nomes principais do programa.

Também no Fórum estará patente uma exposição fotográfica com imagens captadas por um conjunto de fotógrafos que, desde há alguns anos, são presença assídua neste festival.

No dia 2 de junho, num registo mais descontraído, realiza-se o Blues Picnic no Parque José Afonso.

 

Programa – Palco Principal

Dia 31 de maio

Budda Power Blues (PT)

A mais reconhecida banda de blues nacional celebra 15 anos com uma tour muito especial. Durante este ano, visitam os locais marcantes na história da banda que contam, no trajeto, com o projeto “The Blues Experience”, com a reconhecida cantora Maria João, acompanhando também Shirley King, a filha do lendário BB King. O BB Blues Fest não podia deixar de fazer parte deste lote restrito de palcos que acolhem esta “Fifteen long years Tour”.

Kirk Fletcher (USA)

O extraordinário guitarrista Kirk Fletcher traz a sua banda em estreia absoluta, em Portugal. Nomeado para “Contemporary Blues Álbum”, nos Blues Music Awards, este reconhecido artista é membro ativo dos The Manish Boys.

 

1 de junho

Kyla Brox (UK)

Foi vencedora do recente “European Blues Challenge 2019”, que decorreu em abril, em São Miguel, nos Açores. Nascida no seio de uma família de grandes músicos, apresenta a sua voz quente e doce acompanhada pela sua banda.

Nick Moss Band (USA)

É a banda do momento. O reconhecido guitarrista americano apresenta o seu disco High Cost Of Low Living e vem acompanhado pela sua ‘super’ banda, incluindo Dennis Gruenling, na harmónica e voz, e Rodrigo Mantovani, no baixo.

De referir que Nick Moss & Dennis Gruenling foram, a 9 de maio, premiados na Cerimónia dos Blues Awards em Memphis.

 

Programa completo

 

Dia 30 de maio

21:30h, Vila Rosa, em Alhos Vedros – entrada livre.

King Blues & Turbo Dog

 

Dia 31 de maio, Auditório do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo 

21:30h – Budda Power Blues (PT)

22:45h – Kirk Fletcher (USA)

 

Dia 1 de junho, Auditório do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo 

21:30h – Kyla Brox (UK)

22:45h – Nick Moss Band (USA)

 

Dia 2 de junho – “Blues Picnic” – Parque José Afonso, Baixa da Banheira – entrada livre.

15:00h – Dog’s Bollocks (PT)

16:00h – Johnny Boy Electric Band (PT)

17:00h – Elsa Frias & MaBelle Band – participante do último The Voice Portugal (PT)

18:00h – BBBF All Stars (PT)

 

Bilhete diário – 15 euros | Passe Festival 2 dias – 20 euros (dias 31 de maio e 1 de junho). Disponível na bilheteira do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo e na Rede Ticketline (nos seus postos de venda, parceiros e online, em www.ticketline.pt).

 

Organização: BBBP – Associação BB Blues Portugal – em parceria com a Câmara Municipal e União de Freguesias de Baixa da Banheira e Vale da Amoreira

Mais informações sobre a 8ª edição em:

www.bbbluesfest.com

www.cm-moita.pt
www.ufbbva.pt

www.bbbluesportugal.com
www.facebook.com/bbbluesfest
www.facebook.com/cmmoita

Estrelas do cartaz do BBBF premiadas nos Blues Awards.

Nick Moss & Dennis Gruenling, principais figuras do Cartaz da VIII Edição do BB Blues Fest, foram esta noite premiadas na Cerimónia dos Blues Awards em Memphis.

Nick Moss foi aclamado como Tradicional Blues Male Artist enquanto Dennis Gruenling foi reconhecido como Best Instrumentalist – Harmonica.

Ambos integram a Nick Moss Band, que fará o concerto principal do BB Blues Fest, fechando a noite de sábado 01 de Junho, em estreia absoluta em Portugal.

 

Os bilhetes estão já disponíveis: Bilhetes para 31 de Maio e 1 de Junho: diário – 15 euros | Passe Festival 2 dias – 20 euros (dias 31 de maio e 1 de junho)

Organização: BBBP – Associação BB Blues Portugal – em parceria com a Câmara Municipal e União de Freguesias de Baixa da Banheira e Vale da Amoreira

Mais informações sobre a 8ª edição em:

www.bbbluesfest.com

www.cm-moita.pt
www.ufbbva.pt

www.bbbluesportugal.com
www.facebook.com/bbbluesfest
www.facebook.com/cmmoita

 

 

BB Blues Fest anuncia cartaz completo

O BB Blues Fest regressa, este ano, à Baixa da Banheira – Moita, entre os dias 30 de maio e 2 de junho.

Esta oitava edição aposta uma vez mais na elevada qualidade do seu cartaz, apresentando os melhores nomes do blues português e internacional, numa simbiose perfeita que celebra as raízes deste género musical.

Budda Power Blues e Kirk Fletcher, a 31 de maio, e Kyla Brox e Nick Moss Band, a 1 de junho, são os nomes principais do programa. No dia 2 de junho, num registo mais descontraído, realiza-se o Blues Picnic no Parque José Afonso.

Programa – Palco Principal

Dia 31 maio

Budda Power Blues (PT)

A mais reconhecida banda de blues nacional celebra 15 anos com uma tour muito especial. Durante este ano, visitam os locais marcantes na história da banda que contam, no trajeto, com o projeto “The Blues Experience”, com a reconhecida cantora Maria João, acompanhando também Shirley King, a filha do lendário BB King. O BB Blues Fest não podia deixar de fazer parte deste lote restrito de palcos que acolhem esta “Fifteen long years Tour”.

Kirk Fletcher (USA)

O extraordinário guitarrista Kirk Fletcher traz a sua banda em estreia absoluta, em Portugal. Nomeado para “Contemporary Blues Álbum”, nos Blues Music Awards, este reconhecido artista é membro ativo dos The Manish Boys.

1 de junho

Kyla Brox (UK)

Foi vencedora do recente “European Blues Challenge 2019”, que decorreu em abril, em São Miguel, nos Açores. Nascida no seio de uma família de grandes músicos, apresenta a sua voz quente e doce acompanhada pela sua banda.

Nick Moss Band (USA)

É a banda do momento. O reconhecido guitarrista americano está nomeado para diversas categorias nos “Blues Music Awards” para “Album of the Year”, “Band of the Year”, “Traditional Blues Album” e “Traditional Male Blues Artist”. Apresenta o seu disco High Cost Of Low Living e vem acompanhado pela sua ‘super’ banda, incluindo Dennis Gruenling, na harmónica e voz, e Rodrigo Mantovani, no baixo.

O programa completo:

Dia 30 de Maio – Vila Rosa – Alhos Vedros – 21:30 – King Blues & Turbo Dog – (Entrada Livre)

Dia 31 Maio – Auditório do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo – 21:30 – Budda Power Blues (PT) – 22:45 – Kirk Fletcher (USA)

Dia 01 de Junho – Auditório do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo  – 21:30 – Kyla Brox (UK) – 22:45 – Nick Moss Band (USA)

Dia 02 Junho – Blues Picnic – Parque José Afonso –

15 h – Dog’s Bollocks (PT)

16 h – Johnny Boy Electric Band (PT)

17 h – Elsa Frias & MaBelle Band – participante do último The Voice Portugal (PT)

18h – BBBF All Stars (PT)

Bilhetes para 31 de Maio e um de Junho: diário – 15 euros | Passe Festival 2 dias – 20 euros (dias 31 de maio e 1 de junho)

Organização: BBBP – Associação BB Blues Portugal – em parceria com a Câmara Municipal e União de Freguesias de Baixa da Banheira e Vale da Amoreira

Mais informações sobre a 8ª edição em:

www.bbbluesfest.com

www.cm-moita.pt
www.ufbbva.pt

www.bbbluesportugal.com
www.facebook.com/bbbluesfest
www.facebook.com/cmmoita

BB Blues Fest Warm-Up

Stefano Ronchi (ITA) & Marcos Coll (ESP) e Delta Blues Riders (PT) compõem o programa da BB Blues Fest Warm-Up, no dia 4 de maio, pelas 21:30h, no Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira.

Será também o momento de conhecermos o programa completo da 8ª Edição do BB Blues Fest.

Stefano Ronchi (ITA) & Marcos Coll (ESP)

Berlim tem sido, há décadas, um dos mais relevantes polos culturais na Europa, autêntica encruzilhada de influências e um paradigma de criatividade.
É neste ambiente que Stefano Rochi e Marcos Coll se encontram e formam uma parceria com base no seu mútuo talento.
Stefano é uma das mais importantes figuras na cena do Blues italiano. Fortemente influenciado pelo blues do delta, tornou-se um dos mais interessantes e sensacionais intérpretes no velho continente, atuando um pouco por toda a Europa.
Relativamente a Marcos, pouco há a acrescentar à fama que construiu ao longo dos últimos anos, desde os tempos iniciais com o lendário Tonky de La Peña, em Madrid, à sua ascensão ao lado do seu amigo e companheiro Adrián Costa, formando o memorável dueto Los Reyes del KO. Tem centenas de colaborações e transformou-se numa das maiores referências da harmónica no panorama europeu.
O seu trabalho conjunto, “Street Prechin”, foi gravado em Berlim em 2016 e é um direto, autêntico e criativo álbum de blues, com a alma do delta e a modernidade dos dias de hoje.
Apresentam-se no auditório do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo com um concerto cheio de surpresas.

Delta Blues Riders (PT)
A Delta Blues Riders é a banda escolhida para representar o blues nacional no European Blues Challenge 2019. Na sua formação, estão experientes músicos de blues, que acompanharam grandes nomes internacionais, como: Diunna Greenleaf (Texas), Trevor Sewell (UK), Pat “Mother Blues” Cohen (New Orleans), Slam Allen (New York), Chris Bell (Atlanta), Connie Lush (UK), Zakiya Hooker (filha de John Lee Hooker) e Mable John (cantora de Ray Charles da Mowtown Records).
Oriundos da cidade do Porto, estes quatro músicos reinventam as sonoridades que originaram os blues (Mississippi) até aos nossos dias, onde os constantes diálogos e dinâmicas genuinamente “bluesísticas”, aliados a uma forte interação com o público, resultam num espetáculo inédito onde estão presentes todos os instrumentos tradicionais do blues – harmónica, guitarra, dobro, piano, baixo e bateria – tudo numa banda de apenas quatro membros!

Bilhete: 10 euros, disponível na bilheteira do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo e na Rede Ticketline (nos seus postos de venda, parceiros e online, em www.ticketline.pt).

Organização: BBBP – Associação BB Blues Portugal, em parceria com a Câmara Municipal e União de Freguesias de Baixa da Banheira e Vale da Amoreira